home Voltar ao site
Navegação
Fale Conosco
  • location_on

    São Paulo - Matriz R. Buriti Alegre, 525 Vila Ré . São Paulo . SP CEP: 03657-000 - Tel: 11 2023-9999

    Goiânia - Filial End. Décima Segunda Avenida, 321 A QD-60 LT-14 Setor Leste Universitário . Goiania . GO CEP: 74603-020 - Tel: 62 3926-8100

    Rio de Janeiro - Filial End. Rua Gildásio Amado, 55 . 6º andar sala 607 . Barra da Tijuca . Rio de Janeiro . RJ . CEP: 22631-020 - Tel: 21 3176-5950

    Tocantins - Filial End. 303 . Sul . Av LO 09 . Lote 21 . Sala 03 . Plano Diretor Sul . Edifício Bastos . Piso Superior . Palmas . TO . CEP: 77015-400 - Tel.: 63 3026.2354

    Belo Horizonte - Filial Rua Araguari. 358 . Térreo . Loja 03 . Barro Preto . MG . CEP: 30190-110 - Tel.: 31 3526.8870

Deixe sua Mensagem

    Após desburocratização, as reformas virão em fevereiro

    As medidas que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciará logo após sua posse, em 1º de janeiro, expressam a mudança de um governo social-democrata para uma gestão liberal na economia e conservadora nos costumes. Não haverá pacotes nem choques. A relação de atos que devem ser assinados de imediato sinalizará a direção das políticas e simplificará a vida do cidadão, eliminando, por exemplo, exigências que só fazem a alegria dos cartórios.

     

    O governo pretende ter um cronograma de medidas a serem divulgadas durante o mês de janeiro que reduza a burocracia e facilite o dia a dia das pessoas e empresas. As ações deverão contemplar também a abertura da economia, com redução de tarifas e aumento da competição.

    Reformas estruturais como a da Previdência – com a adoção do regime de capitalização, entre outras mudanças – ficarão para fevereiro. Não faz sentido anunciar logo o teor das reformas da Previdência e tributária, se elas dependem da aprovação do Congresso que toma posse em fevereiro.

    Para a aprovação de propostas impopulares, como um regime de aposentadorias mais restritivo, sem um “toma-lá-dá- cá” entre Executivo e Legislativo, Bolsonaro aposta na construção de um novo eixo de governabilidade, fundado em um pacto federativo que descentralizará recursos da União para Estados e municípios.

    A reforma tributária deverá substituir o extenso leque de impostos e contribuições federais por um só tributo, que será compartilhado com os entes da Federação. Se aprovada pelo Congresso, a ideia é acabar com a prática de elevar as contribuições, que a União não divide com Estados e municípios.

    As medidas de janeiro serão um “aperitivo” para o que virá depois. A partir de fevereiro, o ritmo de ação do governo se intensificará, assim como o alcance e amplitude das reformas constitucionais e infraconstitucionais. Deverão ser aceleradas as privatizações e a abertura da economia, entre outras medidas que pretendem, na visão da nova equipe, transformar o Brasil.

    Por Claudia Safatle | De Brasília

     Fonte:  Valor

    Rate this post