home Voltar ao site
Navegação
Fale Conosco
  • location_on

    São Paulo - Matriz R. Buriti Alegre, 525 Vila Ré . São Paulo . SP CEP: 03657-000 - Tel: 11 2023-9999

    Goiânia - Filial End. Décima Segunda Avenida, 321 A QD-60 LT-14 Setor Leste Universitário . Goiania . GO CEP: 74603-020 - Tel: 62 3926-8100

    Rio de Janeiro - Filial End. Rua Gildásio Amado, 55 . 6º andar sala 607 . Barra da Tijuca . Rio de Janeiro . RJ . CEP: 22631-020 - Tel: 21 3176-5950

    Tocantins - Filial End. 303 . Sul . Av LO 09 . Lote 21 . Sala 03 . Plano Diretor Sul . Edifício Bastos . Piso Superior . Palmas . TO . CEP: 77015-400 - Tel.: 63 3026.2354

    Belo Horizonte - Filial Rua Araguari. 358 . Térreo . Loja 03 . Barro Preto . MG . CEP: 30190-110 - Tel.: 31 3526.8870

Deixe sua Mensagem

    MP 1063 – Fecombustíveis defende porta de saída dos contratos

    banner 11 MP 1063 - MP 1063 – Fecombustíveis defende porta de saída dos contratos

    No dia (21/09), Paulo Miranda Soares, presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) destacou que os postos de combustíveis, na prática, terão dificuldade para atender a proposta da MP 1.063, que permite que os postos bandeirados possam ter uma bomba de outros fornecedores.

    Primeiro porque a própria MP prevê o respeito aos contratos e segundo, para aqueles postos que têm contrato de fidelidade vão ter que renegociar essa permissão do novo modelo com suas distribuidoras. Ele defendeu que seria mais adequado os postos terem uma porta de saída destes contratos. “Os postos que não conseguirem preços competitivos com suas distribuidoras deveriam ter a opção de romper os contratos, mas isso não acontece hoje porque as multas são muito altas. Defendemos a aplicação de multas civilizadas. E também, que o posto possa devolver fazer a devolução proporcional do investimento que recebeu da distribuidora, considerando a parcela não cumprida do contrato”, disse durante audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

    Paulo Miranda também destacou que o tema da tutela regulatória de fidelidade à bandeira já está definida no Conselho da Fecombustíveis. “A fiscalização da marca deve ser feita pelo dono da marca e pelos PROCONs, não seria atribuição da ANP”, afirmou.

    Ele também observou que a revenda de combustíveis está trabalhando com margens muito apertadas, cerca de 10% na média e nas capitais nacionais em torno de 4% e 5%. “Não há gordura para cortar”, observou.

    Sobre os preços altos dos combustíveis, ele comentou a necessidade de mudança de critério da cobrança do ICMS. “Defendemos a monofasia tributária no caso do ICMS, com valor ad rem, com valor fixo (em reais), para dar certa estabilidade no preço porque, hoje, de 15 em 15 dias, o Ato Cotepe/PMPF publica a mudança da base de cálculo, e essa base já contempla o ICMS, ou seja é ICMS em cima de ICMS, e reflete em novos aumentos em vários estados”, disse.

    Assista a íntegra da audiência pública, clique aqui.


    Autor/Veículo: Assessoria de Comunicação da Fecombustíveis

    4.4/5 - (18 votes)

    Marcadores: