home Voltar ao site
Navegação
Fale Conosco
  • location_on

    São Paulo - Matriz R. Buriti Alegre, 525 Vila Ré . São Paulo . SP CEP: 03657-000 - Tel: 11 2023-9999

    Goiânia - Filial End. Décima Segunda Avenida, 321 A QD-60 LT-14 Setor Leste Universitário . Goiania . GO CEP: 74603-020 - Tel: 62 3926-8100

    Rio de Janeiro - Filial End. Rua Gildásio Amado, 55 . 6º andar sala 607 . Barra da Tijuca . Rio de Janeiro . RJ . CEP: 22631-020 - Tel: 21 3176-5950

    Tocantins - Filial End. 303 . Sul . Av LO 09 . Lote 21 . Sala 03 . Plano Diretor Sul . Edifício Bastos . Piso Superior . Palmas . TO . CEP: 77015-400 - Tel.: 63 3026.2354

    Belo Horizonte - Filial Rua Araguari. 358 . Térreo . Loja 03 . Barro Preto . MG . CEP: 30190-110 - Tel.: 31 3526.8870

Deixe sua Mensagem

    Governo quer formalizar jornada de até 12 horas de trabalho por dia

    O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, afirmou ontem que a reforma trabalhista que o governo estuda vai incluir formalização de acordos coletivos com jornadas diárias de até 12 horas. Dessa forma, o governo pretende aumentar a segurança jurídica de contratos que não seguem o padrão firmado na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e evitar que eles sejam anulados por juízes. Um exemplo são os profissionais da saúde e vigilância, que atuam por 12 horas seguidas para 36 horas de folga. Esses contratos são muitas vezes questionados pela Justiça, que não reconhece jornada superior a oito horas diárias, diz o ministro.

    A ideia é manter na proposta que o governo quer enviar para o Congresso a jornada semanal de 48 horas (44 horas com quatro extras) e permitir a cada categoria estabelecer, via convenção coletiva, a melhor forma de distribuir esse tempo. O teto para o trabalho diário, no entanto, será fixado em 12 horas diárias.

    — A jornada semanal é de 44 horas. Tem setores que preferem trabalhar cinco dias na semana e folgar no sábado. Se a convenção estabelecer essa cláusula acordada, não poderá depois ser tornada nula por uma decisão de um juiz — disse o ministro.

    Nogueira explicou que, ao defender que o negociação se sobreponha à legislação — o ponto chave da reforma —, o governo não pretende permitir aumentos ou diminuições da jornada semanal. Ele lembrou que qualquer adaptação na jornada não poderá ser tomada individualmente por um funcionário em acordo com o patrão.

    GANHO POR PRODUTIVIDADE

    O ministro do Trabalho afirmou ainda que o governo pretende colocar, no projeto de reforma trabalhista, três tipos de contrato. Conforme adiantou o GLOBO, além do modelo com a tradicional jornada de 44 horas semanais, ele afirmou que pretende incluir um contrato por horas trabalhadas, para permitir que empregadores possam contratar com jornada inferior à estipulada pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e pagar direitos proporcionais a esse valor. Além disso, um outro modelo permitirá ao funcionário ganhar por produtividade, ou seja, por produto entregue.

    — Precisamos oferecer às pessoas condições de serem formalizadas para exercer uma atividade que lhes dê garantia de ocupação com renda e que elas sejam felizes — disse.

    Nogueira explicou os detalhes da reforma trabalhista à Executiva Nacional da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) em um seminário em Brasília. Em relação ao contrato firmado por horas trabalhadas, o ministro explicou que vai permitir ao trabalhador ter vínculo com vários empregadores e receber FGTS, férias e 13º salário proporcionais. Ele ponderou que, mesmo nesses casos, o teto de 48 horas semanais não poderá ser desrespeitado, para que não haja “uma carga exaustiva e para que o tomador de serviços não contrate o mesmo CPF na mesma planta”.

    O ministro explicou que o modelo de todos os contratos será fornecido pelo Ministério do Trabalho, que terá número de homologação, sujeito à fiscalização:

    — Vamos tirar o intermediário da relação do contrato de trabalho, vamos estabelecer o modelo que traga segurança jurídica para o tomador direto com o cidadão. Essa é a questão.

    CONSOLIDAR DIREITOS

    Nogueira disse que o governo pretende anexar à CLT todas as leis complementares, súmulas, normas e portarias. Segundo ele, são mais de 1.700 atualmente. O ministro lembrou que o governo não pretende mexer em direitos adquiridos.

    — Não há hipótese de mexer no FGTS, no 13º salário, de fatiar as férias. O que se trata é de jornada semanal, nós não vamos mexer nisso aí. Vamos consolidar direitos — garantiu.

    Ele explicou ainda que um dos grandes motes da reforma trabalhista é dar força aos sindicatos e à negociação feita pelas categorias com empregadores. Mesmo assim, a intenção do governo é deixar claro os pisos e tetos para as flexibilizações:

    — A convenção coletiva vai ter força de lei para tratar sobre jornada, salário da categoria e intervalo. Vamos ter flexibilização, com freio para o mínimo e para o máximo.

    Fonte: Site Resan

    Rate this post