home Voltar ao site
Navegação
Fale Conosco
  • location_on

    São Paulo - Matriz R. Buriti Alegre, 525 Vila Ré . São Paulo . SP CEP: 03657-000 - Tel: 11 2023-9999

    Goiânia - Filial End. Décima Segunda Avenida, 321 A QD-60 LT-14 Setor Leste Universitário . Goiania . GO CEP: 74603-020 - Tel: 62 3926-8100

    Rio de Janeiro - Filial End. Rua Gildásio Amado, 55 . 6º andar sala 607 . Barra da Tijuca . Rio de Janeiro . RJ . CEP: 22631-020 - Tel: 21 3176-5950

    Tocantins - Filial End. 303 . Sul . Av LO 09 . Lote 21 . Sala 03 . Plano Diretor Sul . Edifício Bastos . Piso Superior . Palmas . TO . CEP: 77015-400 - Tel.: 63 3026.2354

    Belo Horizonte - Filial Rua Araguari. 358 . Térreo . Loja 03 . Barro Preto . MG . CEP: 30190-110 - Tel.: 31 3526.8870

Deixe sua Mensagem

    Fecombustíveis pede a Bolsonaro que não aumente impostos da gasolina

    banner Fecombus cópia - Fecombustíveis pede a Bolsonaro que não aumente impostos da gasolina

    A Fecombustíveis, federação que representa postos de combustíveis no Brasil, enviou ofício ao presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira pedindo que o governo não eleve a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) da gasolina e nem crie uma taxa de importação para o combustível.

    A manifestação vem após pedidos do setor sucroenergético para aumento da Cide na gasolina, como forma de ajuda ao segmento em meio aos impactos do coronavírus na economia do país e no preço do combustível.

    “Não seria justo aumentar os impostos de todos os consumidores do país, quando seria muito mais prático zerar o PIS/Cofins do etanol, mesmo que temporariamente durante a pandemia”, disse a Fecombustíveis, no ofício enviado à Presidência e compartilhado com a imprensa.

    O setor sucroenergético também pediu redução do PIS/Cofins no etanol

    A Fecombustíveis citou notícias veiculadas recentemente de que o Ministério da Economia deveria elevar a Cide da gasolina de 10 para 30 centavos por litro e impor um imposto de importação de 15% sobre o combustível fóssil.

    “Isso vem no sentido oposto aos compromissos assumidos na campanha presidencial”, disse a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), que representa cerca de 42 mil postos revendedores de combustíveis que atuam em todo o território nacional.

    O setor sucroenergético, no entanto, não encaminhou ao Ministério da Economia pedido para tributar a importação da gasolina, segundo a Unica, entidade que representa as usinas de cana.

    O aumento, segundo a federação, viria ainda “em um momento completamente inoportuno para revenda de combustíveis, que também está em crise, com uma queda vertiginosa nas vendas, entre 50% e 75%, em média Brasil”.

    O ofício diz ainda que as novas cobranças também prejudicariam os demais elos da cadeia de combustíveis, inclusive a Petrobras, que já se manifestou contra as eventuais novas cobranças.

    Procurado nesta segunda-feira, o Ministério da Economia reiterou posicionamento anterior e afirmou que não comenta medidas em análise ou que ainda não são públicas.

    “O grupo de monitoramento da crise econômica relacionada ao Covid-19 está analisando diversas alternativas para reduzir os impactos da pandemia para o setor produtivo e para o setor público em suas diversas esferas, com o objetivo de preservar especialmente a população mais vulnerável”, reafirmou a pasta.

    Fonte: Reuters* (Por Marta Nogueira)

    *Extraído do UOL Economia.

    5/5 - (1 vote)

    Marcadores:

    Não perca mais nenhum post!

    Assine nosso blog e receba novos posts frequentemente em seu email.

      Comentários