home Voltar ao site
Navegação
Fale Conosco
  • phone
    (11) 2023-9999 \ (11) 2023-9968 Filial: (62) 3926-8100
  • location_on

    São Paulo - Matriz R. Buriti Alegre, 525 Vila Ré . São Paulo . SP CEP: 03657-000

    Goiânia - Filial End. Décima Segunda Avenida, 321 A QD-60 LT-14 Setor Leste Universitário . Goiania . GO CEP: 74603-020

Deixe sua Mensagem

Posto que revender combustível adulterado terá alvará cassado em Atibaia

Posto Que Revender - Plumas - Posto que revender combustível adulterado terá alvará cassado em Atibaia

A adulteração de combustível, denominado “batismo”, é uma operação ilegal que consiste na mistura de outras substâncias como naftalina, solvente, água e álcool.

A Câmara Municipal aprovou na sessão ordinária do dia 14 de maio, o projeto de lei, de autoria do vereador Ademilson Militão, que dispõe sobre a cassação dos alvarás de funcionamento de empresas e postos estabelecidos no município que revenderem combustíveis adulterados.

A adulteração de combustível, denominado “batismo”, é uma operação ilegal que consiste na mistura de outras substâncias – como naftalina, solvente, água, álcool, etc – aos combustíveis. “O combustível adulterado não apenas causa danos ao motor do veículo, mas também propicia sérios riscos de saúde ao usuário e à população em geral, em virtude do aumento da emissão de gases poluentes no ar”, afirmou o vereador.

“O ‘batismo’ é uma prática ainda muito frequente no Brasil inteiro e continuamente vemos notícias que expõem casos sobre o assunto em diferentes locais do país. Muitos postos já têm como hábito adulterarem seus produtos e, infelizmente, o que ocorre na maioria das vezes é apenas aplicação de multa e perda da bandeira do posto, ou seja: o local continua posteriormente funcionando normalmente com um combustível de péssima qualidade. Portanto, nada mais justo que, após a comprovação de adulteração, o posto perca também seu alvará de funcionamento”, explicou Militão.

Segundo o projeto, após a cassação do alvará de funcionamento dos estabelecimentos, serão encaminhadas cópias do processo administrativo – e dos respectivos documentos que o compõem – ao Ministério Público Estadual para as providências legais cabíveis contra as empresas autuadas.

Fonte: Oatibaiense

Avalie este Post!